sexta-feira, 26 de junho de 2015

Deu a louca no governador do Maranhão?

Terminou agora, de tarde, uma reunião entre o governador da Maranhão Flávio Dino, secretários e funcionários do Palácio e várias entidades ligadas aos Direitos Humanos tentando unificar esforços jurídicos e políticos para combater a tortura no Estado. O governador se demonstrou aberto e sensível para tanto, inclusive propondo projetos de leis que punam de forma rigorosa os agentes que praticam a tortura e a repressão. Tudo parecia proceder de forma serena quando o governador quis se exibir ensaiando auto-elogios à sua própria administração. Começou dizendo que nas penitenciárias e delegacias do Estado não é mais como antes. Mudou tudo e para melhor, claro. Não há mais mortos e nem torturados nas nossas cadeias maranhenses.  Agora, segundo ele, existem defensores públicos para os presos e também professores. Algo que faz inveja aos alunos dos melhores colégios particulares da capital. Foi diante disso que o coordenador da pastoral carcerária do Maranhão, que lá estava, não se agüentou e com contundência afirmou o contrário. Disse em alto e bom som que nada daquilo era verdade. Que ele visitava sistematicamente as prisões do estado e os maus tratos e a repressão continuavam do mesmo jeito que antes. O governador não agüentou as afirmações do coordenador e investiu contra ele. Sem controle emocional declarou que o coordenador da pastoral carcerária não conhecia a história do Estado, que o que afirmava era uma manifestação política sem senso crítico, que ele estava insinuando que no governo dele não tinha havido mudanças, e outras pérolas que deixaram os presentes boquiabertos. Nem babões e nem críticos tiveram a ousadia de acrescentar algo. Um silêncio constrangedor se apossou do ambiente. Só uma representante de uma entidade da sociedade civil se permitiu dizer, timidamente, que também no governo atual aconteceram mortes nas prisões, e também fugas. O clima se tornou mais pesado.  É mesmo verdade que quando uma pessoa que tem um alto conceito de sua própria imagem, um simples arranhão pode colocá-lo numa situação de perder o tino. De um governador que se considera inteligente se esperava que oferecesse, no mínimo, dados concretos para provar que o que o coordenador estava dizendo não era verdade. Preferiu reagir como todos os ‘pequenos ditadores’ quando algum súdito se atreve  a lhe dizer que não é afirmando sempre a mesma mentira que ela tornar-se-á verdade, mas encarando com realismo o que ainda falta para que o ‘reinado’ seja para todos!

Um comentário:

Laura Ligabo disse...

Que pena. Que grande pena ver mais um mordido pela loba macérrima e eternamente faminta do poder. E nossa esperança que era alta, cai por terra e nossa alma chora e se entristece...

"Ed una lupa, che di tutte brame sembiava carca ne la sua magrezza, e molte genti fé già viver grame,
questa mi porse tanto di gravezza con la paura ch'uscia di sua vista, ch'io perdei la speranza de l'altezza.
E qual è quei che volontieri acquista, e giugne 'l tempo che perder lo face, che 'n tutti suoi pensier piange e s'attrista;
tal mi fece la bestia sanza pace, che, venendomi 'ncontro, a poco a poco mi ripigneva là dove 'l sol tace." Dante Alighieri, Inferno, Canto I