quinta-feira, 27 de abril de 2017

Ainda o TRIPLEX - Presidente da OAS Empreendimentos nega que apartamento era do Lula e contrária o delator Pinheiro. Chega , Moro!

A Lava Jato colheu mais um depoimento de empresário que contraria o testemunho de Léo Pinheiro no caso triplex. Fabio Yonamine, ex-diretor-financeiro e presidente da OAS Empreendimentos, disse em depoimento ao juiz Sergio Moro, na terça (26), que Pinheiro nunca afirmou que Lula tinha um apartamento "reservado" no Condomínio Solaris, no Guarujá. Por outro lado, o executivo admitiu que a reforma no triplex foi feita a pedido de Pinheiro, com o objetivo de "deixar a unidade mais bonita" para venda ao petista.Yonamine disse que recebeu de Pinheiro um pedido para "decorar" o apartamento, para "deixar mais bonito" com o intuito de vender ao ex-presidente Lula. Quem tocou o projeto com detalhes, porém, foi a equipe da OAS Empreendimentos em São Paulo, liderada por Roberto Moreira. Como informou o GGN, Moreira já disse à procuradores da Lava Jato que o triplex não havia sido "destinado" oficialmente a Lula, apesar da personalização da unidade. Segundo Yonamine, o apartamento ficou pronto às vésperas da prisão de Léo Pinheiro na Lava Jato. Por isso, ninguém procurou Lula e dona Marisa Letícia para saber o que o casal pretendia fazer com a unidade. "Nunca fui atrás nem mandei ninguém atrás", comentou.Ainda de acordo com Yonamine, 100% dos recursos empregados na construção e reforma do triplex eram da OAS Empreendimento, e "só têm recursos legais". Todos os pagamentos eram feitos com recebimento de nota fiscal, pagamento de tributos e prestação de contas, informou. Além disso, ao contrário do que suspeita a Lava Jato, a OAS Empreendimentos nunca teve qualquer relação com a Petrobras. Segundo o executivo, o apartamento 164-A era, no seu entendimento, um "estoque" da OAS, "não era uma unidade reservada para Lula". "Não posso dizer se estava à venda ou não", acrescentou. (GGN)

São Luís - Emoções.....e algo mais



LEIA A LISTA DOS DEPUTADOS DO MARANHÃO QUE VENDERAM NOSSOS DIREITOS

Juscelino Filho MA Sim
Junior Marreca MA Sim
Alberto Filho MA Sim
Hildo Rocha MA Sim
João Marcelo Souza MA Sim
André Fufuca MA Sim
Waldir Maranhão MA Sim
Cleber Verde MA Sim
José Reinaldo MA Sim
Victor Mendes MA Sim
Pedro Fernandes MA Sim
Aluisio Mendes MA Sim

Geoffrey Robertson ' O caso Lula deve ser retirado das mãos de Moro. Lula tem direito a julgamento justo'!

Em artigo publicado na Foreign Affairs, principal revista do mundo sobre Relações Internacionais, o advogado Geoffrey Robertson, referência internacional na questão dos direitos humanos, afirma que, com o juiz Sergio Moro, o ex-presidente Lula não terá um julgamento justo; "Até agora, os promotores não encontraram nenhuma evidência que o ligasse aos supostos crimes, mas usaram táticas agressivas, como vazamentos de gravações telefônicas que ele fez para sua família, a fim de constrangê-lo publicamente", destaca; para Robertson, "nesse e noutros aspectos, o caso Lula levantou questões cruciais sobre o sistema judicial brasileiro: especificamente, se ele pode dar a Lula um julgamento justo e proteger os direitos do devido processo daqueles que são acusados de corrupção"; o especialista ressalta ainda que Moro é ao mesmo tempo investigador e julgador, como permite o sistema brasileiro, e que o caso deve ser retirado de suas mãos. 

Ex-presidente quer que seu depoimento ao juiz Sérgio Moro, marcado para o próximo dia 10, seja transmitido ao vivo; é evitar que haja "vazamento seletivo" de sua fala pela mídia, segundo reportagem da revista IstoÉ; o pedido ainda não foi feito oficialmente

Jânio de Freitas da Folha fala em 'ABERRAÇÃO TEMER"! Tarde demais......

O colunista Jânio de Freitas subiu o tom das críticas a Michel Temer e sua administração: "'Governo Temer' é só uma expressão da preguiça mental aliada a defeitos muito piores. Trata-se, na verdade, da aberração Temer. Jamais – portanto nem na venenosa fase de Roberto Campos como ideólogo e artífice da ditadura – este país de desatinos viveu, em tão pouco tempo, um assalto tão violento e extenso a direitos de mais de quatro quintos da sua população e às potencialidades do próprio país", escreveu.

Crise? Não para a chorona VALE!!!!


O lucro da mineradora Vale subiu para 7,891 bilhões de reais no primeiro trimestre de 2017, ante um resultado positivo de 6,311 bilhões no mesmo período de 2016, com a ajuda de uma maior produção de minério de ferro, informou a companhia nesta quinta-feira

Passa a Reforma Trabalhista feita por patrões e aprovada pelos seus patrocinados

Em sessão que começou na manhã de ontem e só foi encerrada às 2h06 desta quinta, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a reforma trabalhista na madrugada, após a rejeição de dez destaques apresentados pelos partidos de oposição e de partidos da base aliada que pretendiam modificar pontos do projeto (PL 6.786/16), aprovado na noite de ontem (26);Os outros destaques que seriam votados nesta quinta-feira foram retirados e o texto segue para o Senado. Ao fragilizar sindicatos e tornar o empregador o elemento mais forte de uma negociação, projeto da bancada empresarial pretende, na prática, permitir a imposição de acordo, e da lei selvagem do mercado, destaca reportagem da Rede Brasil Atual.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Ighreja católica se mobiliza para denunciar o desmonte dos direitos sociais


Brasil continua matando quem lhe dá feijão e arroz - 61 lavradores foram assassinados em 2016!

Estudo anual "Conflitos no Campo" revela que 61 pessoas foram mortas no ano passado. Na última semana, chacina em Colniza, no Mato Grosso, vitimou mais nove trabalhadores rurais. A chacina de nove trabalhadores rurais ocorrida no último dia 20, na área rural de Colniza (a 1.065 quilômetros da capital, Cuiabá), no Mato Grosso, aconteceu apenas um dia depois da Comissão Pastoral da Terra (CPT) ter divulgado o relatório "Conflitos no Campo - Brasil 2016". Segundo o estudo, 61 pessoas foram mortas em conflitos no campo no ano de 2016, o que equivale a uma média de cinco assassinatos por mês – número inferior, nos últimos 25 anos, apenas a 2003, quando foram registrados 73 assassinatos. Das 61 vítimas, 13 eram indígenas, quatro quilombolas, seis mulheres e 17 jovens de 15 a 29 anos. Essa é a 32ª edição do relatório que reúne dados sobre os conflitos e violências sofridas pelos trabalhadores e trabalhadoras do campo brasileiro.Os trabalhadores rurais assassinados em Colniza, todos homens e adultos, foram mortos por disparos de armas de fogo e golpes de facas dados por indivíduos encapuzados, segundo a Polícia Civil de Mato Grosso. “Diante dos últimos acontecimentos no Brasil percebemos que os mecanismos de justiça, de garantia dos direitos e segurança, em quase todas as chacinas, massacres e assassinatos nos conflitos agrários, não são levados a tempo. O que sobra são as injustiças e o sangue dos trabalhadores que jorram a mando ou pelas próprias mãos dos latifundiários e dos barões do agronegócio”, declarou, em nota, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). (GGN)

terça-feira, 25 de abril de 2017

PM de Brasília reprime manifestação pacífica de 3.000 índios




Polícia Militar acaba de reprimir violentamente um protesto pacífico de comunidades indígenas em frente ao Congresso Nacional, em Brasília (DF). Mais de 3 mil índios estão no local para a 14ª edição do Acampamento Terra Livre, mobilização que luta pelos direitos dos povos indígenas e demarcação de terras

Auditores internacionais inquiridos por Moro não encontram sinais de participação de Lula em atos de corrução



A PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes, maior empresa de auditoria do mundo, respondeu a um questionamento do juiz Sergio Moro nesta segunda-feira 24 sobre se a empresa teria identificado a participação do ex-presidente Lula em algum ato de corrupção ou ilícito na Petrobras durante a realização de auditoria na estatal; "No período em que atuamos como auditores independentes da Companhia (exercícios sociais de 2012 a 2016), não foram identificados e nem trazidos ao nosso conhecimento atos de corrupção ou atos ilícitos com a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva", diz o comunicado

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Com delação sem valor legal de Leo Pinheiro, Moro quer criar clima de carnaval para o dia 3 de maio quando Lula for a Curitiba

O valor legal do depoimento de Léo Pinheiro ao juiz Sérgio Moro é nenhum. Zero.Não se tratava de uma delação premiada – na qual o réu dá o depoimento sob juramento. Léo Pinheiro depôs na condição de co-réu, circunstância que o exime de depor, depondo, o livra do juramento. Ou seja, pode mentir, inventar, tergiversar sem risco. Por todas essas razões, seu depoimento sequer fará parte do processo, não será levado em consideração, por não ter o menor valor legal. Qual a intenção de Moro e dos procuradores, então, de arrancar essa delação informal? Meramente a de montar um carnaval com a Globo, visando esvaziar as manifestações do dia 3 de maio, em Curitiba, e até preparar o clima para uma arbitrariedade a mais contra a Constituição e os códigos. Trata-se de mais um capítulo do país da Maracangalha, mais uma estaca fincada no caixão da Justiça e, especialmente, do Supremo Tribunal Federal (STF). Léo Pinheiro estava acompanhado de seus advogados da delação. No acordo com a Lava Jato incluíram essa cláusula desmoralizante para o sistema judicial: aceitar apresentar um aperitivo para criar mais um factoide jurídico-midiático. (GGN)

domingo, 23 de abril de 2017

Bispos e líderes católicos convocam para a GREVE GERAL DIA 28. Desmonte de direitos sociais deve ser combatido

Líderes católicos de diferentes estados estão convocando a população para a greve geral organizada por centrais sindicais e movimentos sociais no dia 28 de abril em todo o País; "A Igreja se posiciona firme e profeticamente contra as reformas que vão contra o nosso povo", diz mensagem veiculada pelo comitê de BH; texto destaca ainda que as reformas da Previdência e Trabalhista, além da Lei da Terceirização, já aprovada, "desmontam direito sociais conquistados com muita luta pelo povo brasileiro", mas que "infelizmente, a maioria dos nossos governantes não escuta e não enxerga a realidade do nosso povo"; "É preciso reagir", convocam ainda os arcebispos; na Paraíba, o arcebispo Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz gravou mensagem convocando a população para participar das manifestações contra a reforma da Previdência; "Sabemos que esta reforma implica em tirar direitos adquiridos dos trabalhadores e assegurados na Constituição de 1988"

Lavradores assassinados no MT foram trucidados, diz perícia

Técnicos da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) do Mato Grosso que realizaram os exames de necropsia nos corpos dos nove trabalhadores rurais assassinados na área de Taquaruçu do Norte, a mais de 350 km da zona urbana de Colniza, apontam sinais de tortura nos corpos; alguns dos corpos foram amarrados e outros decapitados, além de apresentarem marcas de enxadadas e facadas, não apenas de tiros. De acordo com a Polícia Civil, pelo menos duas vítimas foram assassinadas a golpes de facão e o restante por tiros de uma arma calibre 12; segundo o comandante da Polícia Militar em Colniza, tenente Hélio Alves Cardoso, até o momento as investigações apontam que as vítimas estavam começando um loteamento irregular na região

Até o GLOBO admite ' Provas contra Lula são ridículas'! Obsessão contra Lula é patética

"A grande armação visando ou a prisão ou acelerar a condenação de Lula é ridiculamente frágil", escreve o jornalista Luíz Nassif, do Jornal GGN, sobre as acusações feitas de última hora pelo empresário Léo Pinheiro contra o ex-presidente Lula; "[Pinheiro] deu declarações que, sem provas, não têm o menor valor penal. As provas, segundo antecipou o jornal O Globo, são terrivelmente ridículas: comprovações de reuniões com Lula, de telefonemas a funcionários do Instituto Cidadania. Junto, as delirantes provas colhidas pelos Sherlocks da Lava Jato que identificaram quatro (!) viagens em um ano de carros do Instituto até Guarujá"

Por Bajonas Teixeira, Não é estranho? Primeiro, tivemos quatro dias de delírios na mídia com  as denúncias de Léo Pinheiro sem qualquer prova. Ontem, ele reuniu as ‘provas’ e as entregou ao MPF em Curitiba. O silêncio da mídia hoje é tão estridente que dói. Nem o G1, nem o Jornal O Globo,  nem a Folha, nem a Veja, nem a Época, nem a Isto é. Ninguém, absolutamente ninguém, fala das provas. O que aconteceu? Aconteceu algo simples: as provas só provam que Léo Pinheiro não possui qualquer prova. Elas não servem para nada. 

sábado, 22 de abril de 2017

AGORA, CHEGA! DIRETAS JÁ! Odebretcht entrega extratos de pagamento de 40 milões a Temer, no exterior. PAÍS ESTÁ CANSADO E ENOJADO! GRAVE OMISSÃO DOS 'GUARDIÕES" DO STF

A empreiteira Odebrecht apresentou aos investigadores da Lava Jato os extratos que comprovariam o pagamento da propina de US$ 40 milhões, equivalentes a R$ 126 milhões, acertada numa reunião presidida por Michel Temer, com a presença de Eduardo Cunha e do lobista João Augusto Henriques, ambos presos em Curitiba; a maior parte do dinheiro foi paga em contas no exterior; valor equivalia a 5% de uma contrato na área internacional da Petrobras que a presidente deposta Dilma Rousseff cortou em 43%; hoje, 79% dos brasileiros defendem a cassação de Temer (Brasil247)

II domingo de Páscoa – (Jo. 20, 19-31) “MEU SENHOR E MEU DEUS!”


Numa família, ou em uma comunidade há sempre algumas pessoas destemidas. Corajosas e ousadas. Que parecem fugir dos comportamentos comuns de precaução, de cuidados especiais e de autopreservação. São pessoas que não têm papas na língua, dizem o que pensam e sentem e, às vezes, parecem não medir consequências. Toda comunidade eclesial precisa dessas ‘pessoas atrevidas’ porque ajudam o grupo a avançar. É o caso de Tomé, chamado o ‘gêmeo’. No evangelho de João fica claro que Tomé é o ‘gêmeo (espiritual) de Jesus’. Apóstolo e irmão que age como se fosse outro Jesus. É aquele que não está com o grupo de Jesus quando este se encontra às escondidas, e de portas trancadas. Tomé não tem medo como os demais discípulos. Ele, como Jesus, está na rua, trabalhando e enfrentando. Quando o grupo dos discípulos parece compreender que Jesus continua vivo, Tomé reage como reage uma pessoa diante de algo surpreendente e inesperado: ‘Não! Não é possível! Não acredito!’ É uma expressão de maravilha e assombro, e não de negação. Chega, contudo, a hora em que também Tomé sente a presença de Jesus como ‘aquele que continua a estar no meio deles’. O grupo, de forma contraditória, afirmava de ter visto o Senhor, mas continuava com medo e escondido. Tomé, ao contrário, quando ele mesmo sente que Jesus está vivo se torna o primeiro e o único discípulo a afirmar ‘Meu Senhor, e meu Deus’! Tomé, o destemido, não tem receio em reconhecê-lo plenamente como Aquele que vive. Tomé, o ‘gêmeo’ de Jesus reconhece que o seu ‘Senhor’ era, de fato, o ‘gêmeo’ de Deus!

Conflitos agrários - Pistoleiros matam 10 no Mato Grosso. Entre as vítimas há crianças e idosos

Pelo menos 10 pessoas foram assassinadas nesta quinta-feira (20), em um assentamento no município de Colniza (MT), a 1.065 km de Cuiabá, próximo ao distrito de Guariba, em uma gleba denominada Taquaruçu do Norte. Entre os mortos também estão idosos e crianças.  De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de Mato Grosso, o massacre foi feito por “encapuzados”. O governo mato-grossense enviou ao local policiais militares e civis lotados na cidade de Colniza, que fica a 250 km da sede do município, mas o local é de difícil acesso e ainda não há informações complementares sobre o massacre.Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), conflitos fundiários são comuns na gleba onde ocorreram as mortes há mais de dez anos, com ocorrências de assassinatos e agressões. A CPT informou ainda que investigações policiais feitas nos últimos anos têm apontado que “os gerentes das fazendas na região comandavam rede de capangas para amedrontar e fazer os pequenos produtores desocuparem suas terras”. Relatório “Conflitos no Campo Brasil 2016", lançado na segunda-feira (17/03) pela CPT, revelou que o Brasil registrou 1536 conflitos relacionados a terra, trabalho e água, em 2016, 26,2% a mais do que em 2015. Os assassinatos também aumentaram: de 50 em 2015, para 61, um acréscimo de 22%. Já os conflitos relacionados exclusivamente a terras ocupadas por indígenas, camponeses e quilombolas somam 1295 e envolvem 687 mil camponeses.(Agência Brasil)

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Vejam o que foi feito com os acordos e os termos de ajustes de conduta entre Governo e professores Guajajara



Educação Escolar Indígena no Maranhão - Reações do dia seguinte. Criticar é preciso, ofender e desrespeitar, nunca!

Tudo indica que a postagem sobre o discurso do governador do Maranhão em Jenipapo dos Vieiras está rendendo. O número de acessos ao post quadruplicou. Sinal de vivo interesse. Lideranças indígenas encaminharam vários comentários confirmando o que o blogueiro, - sem usar 'jocosidade e zombeteiras,' - tentou retratar sobre a realidade escolar indígena. Afinal, para quem acompanha minimamente a realidade escolar indígena no Estado, - só para ficar nisso, - sabe que não há nenhuma novidade, e o exposto é de domínio público. Compreensível a reação de quantos têm que rezar a cartilha e oferecer incensos ao chefe de turno para evitar a exoneração! O espantoso é achar ainda que quem critica o faça com o único intuito de desgastar ou derrubar quem é chamado a administrar com seriedade e responsabilidade. Parece ser uma tônica da 'entourage' desse governo: criticou, logo você é oposição! Inimigo de um governo democrático e socialista. Não precisa citar nomes, mas quem de nós não lembra as exonerações daqueles funcionários que se recusam, por coerência moral, a concordar sempre e em tudo com aquilo que o executivo fala e decide? Todos têm que elogiar e 'babar' sob pena de serem considerados inimigos do rei. 

Dito isso queria lembrar a alguns superintendentes do governo do Estado que mexem com 'essas coisas' que faz quase 30 anos que a FUNAI deixou de ser responsável da educação escolar indígena. Eu ainda não tinha cabelos grisalhos na época! Não utilizem esses senhores essa argumentação descabida, como se o quase falido órgão indigenista federal tivesse descarregado sobre os Estados somente no ano passado a educação indígena. É bom lembrar que o reconhecimento de uma 'escola indígena' é feito pelo Conselho Estadual da Educação' e não pelo Federal. Isso para provar que cabe sim, aos Estados proporcionar (planejar, contratar, pagar, formar, construir, fiscalizar, distribuir material didático e merenda, pegar e deixar alunos...) a educação Escolar Indígena, muito embora as Diretrizes Básicas, sem falar na grana (Fundeb, etc.) venham do Governo Federal. Uma última coisa queria lembrar a esses senhores administradores e que é gravíssima: esse governo, como os anteriores, continua descontando INSS do contracheque sem repassar integralmente ao órgão federal. Convido os professores indígenas e não indígenas a irem às Agências do INSS do seu município e verificarem a totalidade dos repasses. Depois, voltaremos a falar. Nisso não há nada de jocoso e zombeteiro prezado superintendente! Só realidade dramática!

Caso Léo Pinheiro vs Lula - Delator não é mártir. Delator está disposto a vender novas versões para sobreviver.

Em junho de 2016, a Folha de S. Paulo publicou que Leo Pinheiro, da OAS, teve acordo de delação rejeitado pela Lava Jato porque se recusou a atribuir a Lula o sítio de Atibaia e o triplex no Guarujá. Preso há mais de um ano, o executivo prestou depoimento a Sergio Moro nesta quinta (20) Jornal GGN - Os vídeos do depoimento prestado por Leo Pinheiro, ex-OAS, ao juiz Sergio Moro, nesta quinta (20), ainda não foram divulgados. Mas o portal de Veja garante que o preso da Lava Jato admitiu ter destruído provas por "orientação de Lula", em 2014. "'Lula me orientou a destruir documentos durante a Lava Jato', disse Léo Pinheiro a Sergio Moro", segundo a revista online.Na manhã desta quinta, o jornal Valor Econômico também publicou que, ao contrário da postura adotada há um ano, Leo Pinheiro estaria disposto a contar a Moro que o triplex era mesmo de Lula, dando a prova que faltava para que o ex-presidente seja condenado por lavagem e ocultação de patrimônio.Em junho de 2016, a Folha de S. Paulo publicou que Leo Pinheiro não teria acordo de delação fechado com a Lava Jato porque inocentou Lula tanto no caso triplex quanto em relação às obras no sítio de Atibaia. Ontem, a equipe do ex-presidente, em nota divulgado no portal oficial de Lula, lançou dúvidas sobre como Leo Pinheiro iria se portar hoje, um ano depois de ter sido preso na Lava Jato, condenado a mais de 15 anos de prisão em outra ação penal e sem perspectivas de acordo de cooperação que não incrimine Lula. De acordo com o Valor, o acordo será fechado com a Procuradoria Geral da União após a colaboração de Leo Pinheiro no processo do triplex. A banca de advogados do empresário deve renunciar. (GGN)

Presidente da FUNAI é demitido por não nomear 28 da cota dos ruralistas. Raposa tem que cuidar de....galinhas!

O ministro da Justiça do governo de Michel Temer, Osmar Serraglio (PMDB), resolveu demitir o presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Antônio Fernandes Toninho Costa, porque o representante dos indígenas não nomeou os 28 indicados pela bancada ruralista a compor a organização. A pressão partiu do deputado André Moura (PSC-SE), que levou os nomes da bancada para a instituição que representa os direitos dos índios e a política indigenista no Brasil. Os cargos recomendados eram de funções técnicas na Funai, mas Costa se negou a nomear os políticos. Isso porque Antônio Fernandes, antes um nome de apoio do próprio deputado André Moura, adotava a postura de indicar apenas especialistas para as coordenadorias regionais e assessorias da Funai. Após contrariar as exigências, seu padrinho político e o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, com o aval de Michel Temer, decidiram demitir o presidente da entidade. A bancada ruralista estava por trás das indicações de três coordenadores regionais, nas cidades de Boa Vista (Roraima), Campo Grande (MS) e Passo Fundo (RS). As sugestões dos parlamentares provocou uma insatisfação dentro da Funai, com ameaça inclusive de invasão das três coordenadorias. Osmar e Moura anunciariam a queda de Costa nesta última quarta-feira (19), mas por ser o dia do índio, o Governo decidiu atrasar o anúncio. Por isso, nesta quinta (20), Costa cumpriu a agenda normalmente, mas já estava se despedindo dos funcionários da Funai. De acordo com apuração do jornal El País, a exoneração de Antônio Fernandes Toninho Costa será publicada no Diário Oficial da União, de acordo com relatos de aliados de Temer. O substituto deverá ser indicado pelo PSC e pela bancada ruralista no Congresso.(GGN)
 

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Guajajara protestam com discurso do governador do Maranhão em Genipapo dos Vieiras. Convenhamos, governador.....


Tudo indica que o governador do Maranhão continua tendo dificuldade de se comunicar com os índios. Talvez tenha assessorias pouco qualificadas. Algumas lideranças indígenas presentes ao discurso do executivo estadual, hoje, em Genipapo dos Vieiras, encaminharam-me um áudio contendo trechos da fala dirigida aos índios acolá presentes. Uma parte me chamou a atenção. Ele cita um sequestro de uma funcionária de 50 anos na sua missão de entregar merenda escolar a uma escola. O governador se omite em explicar a causa do ocorrido. Parece desconhecer as falcatruas que os diretores das escolas estaduais encarregados na aquisição e prestação de contas da merenda escolar cometem rotineiramente. É só perguntar aos seus advogados que acompanham as inúmeras denúncias para saber o tamanho das falcatruas. Não se nega, aqui, que não haja havido cumplicidade com alguns espertinhos indígenas, e em conluio com comerciantes locais! Trata-se, isso sim, de utilizar um pouco mais de honestidade e de autocrítica em admitir, também, as inúmeras falhas governamentais no trato com seletivos, transporte escolar, merenda escolar, material didático, formação continuada para os quase 900 professores, etc. Não é conveniente nem política, nem didaticamente atacar o conjunto do corpo docente indígena, suas escolas e organizações repetindo a mesma ‘anedota’ do sequestro simbólico da funcionária, diga-se de passagem, ocorrido 2 anos atrás, e ampliando-a ao infinito para todas as 280 escolas indígenas do Estado do Maranhão. 
Não é conveniente, prezado governador, utilizar ‘justificativas legais’ para a não realização  do seletivo em tempos hábeis, não como agora, em abril! Todo ano é a mesma cacofonia. Se a atual lei que normatiza a realização de seletivos para aprovação e contratação de professores em escolas indígenas e/ou quilombolas é inadequada, que se mude a lei! O senhor governador tem maioria na assembleia e proceda para que se faça uma lei que dê segurança UMA VEZ POR TODAS aos profissionais e aos alunos indígenas. Havia escolas indígenas que, apesar desses atrasos, ao chegar o período escolar começavam as aulas, mesmo recebendo seus salários super atrasados. Agora não mais, pois não têm garantia alguma de que serão confirmados ou contratados e, consequentemente, de serem indenizados pelas aulas que deram no momento adequado.

 Enfim, o que não pode mais existir, senhor governador, é:
1.    Que se façam seletivos em abril por questões legais, sem adaptar legalmente os prazos. Ou, pior, realizar seletivos parciais em setembro, como ocorreu no ano passado, mudando as regras do jogo durante a partida!
2.    Que se prometa a construção e/ou reforma de 93 escolas indígenas ao longo de quatro anos, e não ver depois de dois anos e meio sequer a manutenção ordinária daquelas escolas indígenas que são ou que poderiam ser referência no Estado.
3.    Que a distribuição da merenda escolar continue sofrendo desvios e superfaturamentos por causa da irresponsabilidade de diretores de escolas estaduais encarregados formalmente para isso, e que acabam fatalmente comprando a cumplicidade de comerciantes locais e de alguns índios.
4.    Que se publique em twitter governamental que 'agora sim a merenda escolar indígena está em dia...' mas que se ignore que somente em 6 escolas indígenas existem cantinas, cozinhas mínimas e espécie de refeitórios aparelhados. Nas demais 280 escolas indígenas a merenda, quando entregue, é distribuída no mesmo dia para as famílias, pois não tem onde guardá-la ou prepará-la.

Só isso, por enquanto! Esqueci, governador: não pegue isso como ataque pessoal, mas como uma contribuição para o senhor acertar....
Guajajara protestam em Genipapo dos Vieiras com discurso do Governador.

Um dos maiores juristas do mundo, Luigi Ferrajoli, - muito citado pela republiqueta de Curitiba, - detona Moro e procuradores da Lava-Jato!

Um dos teóricos citados com bastante frequência pelos procuradores da República e pelo juiz Sérgio Moro nos processos da Lava Jato, Luigi Ferrajoli, um dos juristas de maior reconhecimento no mundo, denunciou de forma dura os métodos da operação; “Podemos notar singulares violações, como a difusão e a publicação das interceptações promovidas pelo próprio juiz instrutor e traços típicos de impedimento", exemplificou; "Esta confusão entre acusação e justiça é o primeiro traço do impedimento [de Moro]", avaliou; a fala do jurista ocorreu neste mês no Parlamento italiano na capital, Roma; (Brasil 247)

Blogueiro da Veja e colunista da Folha detonam Moro e seus métodos rasteiros.

Blogueiro de Veja Reinaldo Azevedo diz que ordem do juiz para que o ex-presidente compareça a 87 depoimentos é uma "retaliação", por ter se irritado com o número de testemunhas arrolado pela defesa; "Todos os especialistas em direito, o que não sou, afirmaram a mesma coisa. Alguns gostam do PT menos do que eu", disse; Reinaldo Azevedo também criticou o vídeo dos procuradores contra o projeto de abuso de autoridade: "vídeo inescrupuloso, ilegal e autoritário"

O colunista Jânio de Freitas criticou duramente a decisão do juiz federal Sérgio Moro de exigir a presença do ex-presidente Lula durante as audiências de 87 testemunhas;  "Um ato estritamente pessoal. De raiva, de prepotência. É uma atitude miúda, rasteira. Incompatível com a missão de juiz. De um "julgador", como Moro se define", classificou Janio

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Deputados entram com representação contra ministros acusados de vários crimes. E agora Temer-ário?

Deputados Afonso Florence (PT-BA) e Robinson Almeida (PT-BA) protocolaram nesta quarta-feira (19), na Comissão de Ética Pública da Presidência da República, uma representação contra os oito ministros do governo Michel Temer citados nas delações da Odebrecht e alvos de investigações de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, crime contra a ordem econômica e fraude em licitações; "Graves suspeitas tornam insustentável a permanência dos investigados à frente das pastas", dizem os deputados; segundo os deputados, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Aloysio Nunes, Gilberto Kassab, Bruno Araújo, Helder Barbalho, Blairo Maggi e Marcos Pereira "perderam a capacidade de atuação moral para o exercício dos cargos que ocupam"; Comissão de Ética terá que se manifestar a respeito

Juíza arquiva ação do MP (os três patetas) de SP contra Lula, Bancoop e OAS. Magistrada aponta erros e 'alegações vagas'. E agora, Moro?

Juíza Maria Priscilla Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal de São Paulo, arquivou a ação do Ministério Público de São Paulo sobre o suposto caso de corrupção envolvendo a OAS e a Bancoop no edifício em que o ex-presidente Lula é acusado de possuir um triplex; magistrada apontou "alegações vagas" e uma série de erros na denúncia de 102 páginas dos promotores Cássio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique de Moraes Araújo e absolveu todos os réus — incluindo o executivo José Aldemário Pinheiro, sócio da OAS, e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto; Lula foi inicialmente incluído na ação, depois transferida para a alçada do juiz Sérgio Moro; decisão, no entanto, torna mais difícil para Moro condená-lo pelo mesmo motivo 

19 de Abril - Para onde vão os povos indígenas do Maranhão e do Brasil? Considerações despretensiosas....


Torna-se sempre mais complicado elaborar uma análise, mesmo que superficial, da situação atual dos povos indígenas no Brasil e, se queremos, no nosso Estado do Maranhão. A cada hora chegam informações de que esta ou aquela secretaria, ou órgão indigenista, estão sendo reconfigurados. Que o orçamento para os povos indígenas, - já minguado, - está sendo reduzido a pó. Que esta ou aquela terra indígena vem sofrendo uma maciça agressão por madeireiros e por senhores do agronegócio com o beneplácito de governadores e prefeitos. Que há mais uma nova PEC tramitando no congresso. Que aquele determinado processo de legalização fundiária de terra indígena está parado. Que mais um índio foi encontrado morto. Que o Temer-ário nem no ‘dia do índio’ vai assinar alguma homologação de terra indígena, nem como forma de agradar ‘essas incômodas minorias....’ Tem-se a sensação, e não é de hoje, de que o trato dos diferentes governos federais e estaduais, ao longo desses últimos 5 anos, no que concerne à questão indígena, assumiu claramente a conotação de ‘manutenção da administração mínima’. Ou seja: administrar ‘o mínimo’ que ainda existe. Não se tem ainda a ousadia de acabar com todos os setores específicos da administração indigenista, mas também se reduz, descentraliza e retira, progressiva e drasticamente, orçamentos e funções. O que está subjacente e vem se tornando sempre mais latente é a eliminação do ‘específico’ que ainda resiste nos organogramas federais e que incomoda a máquina federal e estadual, não importando a coloração ideológica do executivo de turno. O sonho mesmo do governo federal e dos estaduais, - salvando, talvez, alguns raros casos específicos, - é incorporar definitivamente a questão indígena à genérica máquina administrativa comum eliminando atenções e políticas especificas, tratando os índios como ‘cidadãos comuns, iguais a todos’! Pouco adiantaria, nesse espaço, listar as inúmeras omissões e violações constitucionais na questão indígena perpetradas por órgãos públicos. Em quase nada serviria listar as agressões e homicídios de indígenas ao longo do ano passado, por exemplo, no Brasil e no Maranhão, constatando a ausência de qualquer tipo de investigação, instauração ou instrução de processos. Tem-se a impressão que a sociedade brasileira já vem se acostumando a isso. Morte violenta de índio não causa mais espanto. Grileiros, madeireiros e criadores de boi ou de soja que invadem e ameaçam aldeias inteiras causa pânico somente entre os próprios índios. Secretarias estaduais de educação já entenderam que podem não somente desrespeitar uma ‘Educação específica, diferenciada, intercultural, bilíngue, (e blá, blá...)’ mas também inviabilizar as próprias aulas, por não pagar em dia os professores, por não reformar ou construir escolas, por não investigar e punir os empresários da merenda escolar desviada ou superfaturada, ou os empresários do transporte escolar indígena... Pouco tem adiantado manifestar em frente a palácios de governadores ou pedir audiências a apáticos secretários e a superatarefados procuradores da República. A palavra ‘caos’ cheira a doçura para retratar a situação fundiária, ou da educação ou da saúde, por exemplo, no Maranhão. Nos anos 80 e 90 ainda eram vivos os ideais e os conceitos como ‘autonomia, autodeterminação....’ dos povos indígenas. Talvez os embates e as demandas dirigidas única e exclusivamente ao estado (federal e estadual) tenham retardado ações e formas de organização indígena alicerçadas numa nova consciência de maior autonomia do tipo ’vamos fazer acontecer com ou sem estado’, ou ‘vamos nos administrar, e vamos reivindicar, simultaneamente’ evitando esperar a ‘intervenção legal’ de quem tem o monopólio e a suposta legitimidade do uso da violência ou da condução da ‘coisa pública’. Em que pese tudo isso, e muito mais, vários grupos de diferentes nações indígenas desse País vem se organizando de forma inovadora e autônoma ‘latu sensu’, e dando provas de que podem executar ações metapolíticas de grande eficácia, indo bem além daquilo que são os padrões e as concepções formais e oficiais do estado e de seus mecanismos e...tentáculos. Provam para si mesmos e para quem ainda tem um olhar aberto e ‘simpático’ para com eles, que nem tudo está acabado e que, talvez, justamente nessa crise de inaudita magnitude, os povos indígenas do Brasil e do Maranhão, estejam colocando o baldrame de práticas inéditas e surpreendentes.

VOX POPULI afirma que Lula ganharia no primeiro turno se eleição fosse hoje! Candidatos golpistas afundam...

Pesquisa Vox Populi divulgada nesta terça-feira 18 pela CUT revela que todos os que apoiaram ou articularam o golpe que tirou Dilma Rousseff do poder perderam; o senador Aécio Neves, primeiro a levantar a voz contra o resultado das eleições presidenciais e a defender o impeachment de Dilma, caiu de 13% das intenções de voto em dezembro para 9% em abril na comparação com o ex-presidente Lula; o governador Geraldo Alckmin caiu de 10% para 6%, também no cenário com Lula; até Marina Silva, que se calou sobre as reformas de Temer e as denúncias de corrupção envolvendo um terço dos ministros do atual governo, além do próprio presidente, se deu mal, caindo de 12% em dezembro para 11% este mês; a soma dos adversários testados com Lula é de 33% das intenções de votos, menos do que os 44% dos votos válidos do petista, que venceria já em primeiro turno

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Golpe completa um ano. TEMER-ário admite ao vivo que houve chantagem de Cunha. Fica por isso mesmo?

Um ano atrás, em 17 de abril de 2016, foi escrita a página mais vergonhosa da história brasileira: a "assembleia de bandidos presidida por um bandido", como definiu o escritor Miguel Sousa Tavares, ao se referir à sessão da Câmara dos Deputados que permitiu a abertura de um processo de impeachment sem crime de responsabilidade – ou seja, um golpe – contra a presidente Dilma Rousseff; decorridos 12 meses, o Brasil se tornou uma nação arruinada econômica e moralmente; mais do que isso, todos os protagonistas do golpe foram desmascarados; Eduardo Cunha, que presidiu a sessão, está preso em Curitiba, condenado a mais de 15 anos de prisão, por corrupção, evasão e lavagem de dinheiro; Aécio Neves, o agitador do golpe, é hoje um dos políticos mais desmoralizados do País, acusado de receber mais de R$ 50 milhões para favorecer empreiteiras; Bruno Araújo, que chorou ao dar o voto decisivo, também está na lista de Fachin; enquanto isso, Dilma Rousseff segue de pé em sua luta para devolver a democracia ao Brasil e foi aplaudida em todas as universidades em que discursou nos Estados Unidos 
Um presidente burro (ou cínico, fico com a primeira hipótese) o suficiente para confessar, na tevê, o golpe de Estado do qual fez parte, só permanece onde está se houver um Legislativo e um Judiciário dominados por gente do mesmo nível", disse o jornalista Leandro Fortes, sobre a entrevista de Michel Temer à Band em que ele admite que a presidente deposta Dilma Rousseff foi vítima de um golpe parlamentar por não ter cedido chantagem do então presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB)

Governo do Maranhão mantém caos na educação indígena



⁠⁠⁠Às 9:00 da manhã de hoje  (17/04/2017), indígenas Guajajara da Terra Indígena Pindaré, interditaram a BR 316 que corta a referida terra indígena, em protesto e em defesa dos direitos indígenas. O protesto se dá contra às agressões e ataques aos direitos indígenas, contra a violência, por saúde de qualidade e respeito aos povos indígenas. E principalmente para cobrar a atuação da Secretaria de Estado da Educação-SEDUC/MA, que nos últimos 3 anos tem deixado as aldeias vivendo em situações críticas por falta de atuação da mesma. (Fonte Flaubert Guajajara)

Ei, Marcelo, por que nunca disse ao Lula que tinha uma conta amigo....e que o amigo era ele?

Esta é a mais absurda de todas as ilações no depoimento de Marcelo Odebrecht. Ele disse que Lula teria uma "conta corrente" na empresa. Ora diz que essa conta seria de 35 milhões, ora seria de 40 milhões, mas ressalva que jamais conversou com Lula sobre essa conta. Narra uma confusa movimentação de saída e entrada de recursos, citando a compra de um terreno (depois devolvido), uma doação ao Instituto Lula e supostas entregas em dinheiro vivo a Branislav Kontic, totalizando R$ 13 milhões. Diz ainda que parte da reserva continuou na tal conta.Se for verdadeiro o depoimento, Marcelo Odebrecht teria feito, na verdade, um aprovisionamento em sua contabilidade para eventuais e futuros transferências ou pagamentos. Isso é muito diferente de dizer que havia uma "conta Lula" na Odebrecht, como reproduzem as manchetes levianas. A ser verdadeira, trata-se, como está claro, de uma decisão interna da empresa. Uma "conta" meramente virtual, que nunca foi transferida, nem no todo nem em parte, que nunca se materializou em benefícios diretos ou indiretos para Lula.O fato é que Lula nunca pediu, autorizou ou sequer teve conhecimento do suposto aprovisionamento.As três supostas evidências apresentadas sobre a conta virtual desmoronam diante da realidade, a saber: a) o terreno comprado supostamente para o Instituto Lula nunca foi entregue, porque nunca foi pedido por quem de direito; b) as doações da Odebrecht para o Instituto Lula foram feitas às claras, em valores contabilizados na origem e no destino, e informadas à Receita Federal, em transação transparente; c) a defesa de Branislav Kontic negou, em nota ao Jornal Nacional, que seu cliente tenha praticado as ações citadas pelos delatores.Todos os sigilos de Lula e sua família - bancários, fiscal, telefônico - foram quebrados. O Ministério Público sabe a origem de todos os recursos recebidos por Lula, o destino de cada centavo ganho pelo ex-presidente com palestras e que Lula vive em um apartamento em São Bernardo do Campo desde a década de 1990. Onde estão os R$ 40 mi. ou, talvez, 35? (Brasil247)

sábado, 15 de abril de 2017

pensemos........

Ressuscitar não é dar vida a um cadáver, mas evitar que os vivos se tornem cadáveres ambulantes!

São Luís - Ilha dos encantados sombrios e reluzentes.......



Nós o ressuscitamos e está vivo nos nossos gestos de amor


Ressurreição não tem nada a ver com o retorno à vida física de um cadáver. Todos os seres biologicamente vivos morrem e se decompõem. Melhor dito, entram numa comunhão renovada com a mãe terra e com o próprio universo. O corpo físico de Jesus não escapou disso. Ressuscitar, afinal, é fazer a experiência humana, concreta, de viver e crer para além das evidências da morte física e do desespero humano do cotidiano. É compreender que podemos continuar a nos motivar e a nos alimentar dos sonhos, dos afetos, das palavras e dos amores de quem já se foi. É compreender que nós, os biologicamente vivos, podemos não só manter vivas na memória, mas também reproduzir as mesmas opções de vida de quantos terminaram a sua missão na etapa terrestre. É a forma que temos para não deixar apodrecer com os cadáveres os ideais de vida e os valores de quem admiramos e amamos. No evangelho de Mateus de hoje o próprio Jesus nos oferece a dica ‘Vão à Galileia; lá, vocês me reconhecerão’. Ou seja, é continuando a curar os doentes, abrindo a vista aos cegos, ajudando as pessoas a caminhar firmes na vida, e sendo misericordiosos com quem erra, - do mesmo modo que Jesus fazia na Galileia - que podemos mantê-lo vivo e ressurgido. E nós, os biologicamente vivos, ao agirmos como Jesus, podemos encontrar o sentido da nossa própria vida humana, agora. E evitar mergulhar no sepulcro da morte existencial, e da infelicidade permanente.